Deus nos ensina a perdoar

E, quando estiverem orando, se tiverem alguma coisa contra alguém, perdoem, para que o Pai de vocês, que está nos céus, perdoe as ofensas de vocês. [Mas, se vocês não perdoarem, também o Pai de vocês, que está nos céus, não perdoará as ofensas de vocês.].”
Marcos 11:25-26

Já aconteceu de alguém fazer alguma coisa para você que te deixou triste? De repente, essa pessoa falou mal de você, foi grosseira com você ou fez algo que te prejudicou…

Pois é… As pessoas não são perfeitas e podem errar com a gente. E você já parou para pensar que a gente também erra com os outros? Sim, porque o único que nunca errou foi Jesus.

A Palavra de Deus ensina que nós sempre devemos perdoar, porque Deus sempre nos perdoa quando nos arrependemos.

Mas, e se for uma coisa bem grave, também é para perdoar? É, sim! Na história de hoje, vamos conhecer um rapaz que sofreu muito por coisas feias que a própria família dele fez, mas ele aprendeu a perdoar e tudo mudou. Vamos conhecer?

José foi maltratado pela família, mas decidiu perdoar e viu sua casa restaurada

Referência bíblica: Gênesis 37-46

José era filho de Jacó e de Raquel, e era um bom rapaz! Ele fazia parte de uma família bem grande – tinha 11 irmãos: Rúben, Simeão, Levi, Judá, Issacar, Zebulom, Dã, Naftali, Gade, Aser e Benjamim.

Aos 17 anos, ele ajudava o pai apascentando os rebanhos junto com seus irmãos. O pai de José gostava mais dele do que dos outros filhos e acabava demostrando isso, o que fazia com que os irmãos de José sentissem ciúmes dele.

Um dia, Jacó, o pai de José, deu a ele um presente: uma túnica muito bonita. Quando os irmãos de José viram isso, ficaram com ódio dele! Além disso, José tinha o dom de ter sonhos espirituais. Deus dava sonhos para José que tinham um significado especial, pois tinham a ver com algo que aconteceria no futuro. José, empolgado com os sonhos que recebia, contava para os irmãos, mas isso aumentava ainda mais a inveja que sentiam.  

Foi aí que os irmãos de José se uniram para tramar algo muito grave contra ele: eles queriam matá-lo!

Em certa ocasião, os irmãos de José estavam cuidando das ovelhas longe de casa e, a pedido de seu pai, José foi até eles. Quando o viram, um deles falou:

— Lá vem o sonhador! Vamos acabar com ele, essa é a nossa oportunidade! Depois, a gente conta para o nosso pai que um animal selvagem o comeu. Ele nem vai desconfiar.

O outro irmão disse:

— Não vamos tirar a vida dele. Vamos fazer o seguinte: vamos jogá-lo num buraco bem fundo aqui nesse deserto. Desse jeito, a gente não suja as nossas mãos, mas ele acabará morrendo.

Quando José chegou perto dos seus irmãos, eles arrancaram a túnica que ele tinha ganhado de presente do seu pai e o jogaram num buraco fundo, sem água, como tinham combinado.

Logo em seguida, ainda perto dali, os irmãos de José viram uma caravana de ismaelitas e resolveram que, em vez de deixar o irmão morrer naquele buraco, iam vendê-lo como escravo para aqueles homens maus.

E, assim, eles fizeram e José foi levado para o Egito como escravo. Os irmãos voltaram para casa e mentiram para o pai, dizendo que ele tinha morrido atacado por um animal. Eles mostraram a túnica de José manchada de sangue. O pai sofreu muito com a notícia!

José, por sua vez, ao chegar no Egito, foi vendido de novo para Potifar, que trabalhava no palácio com o Faraó.

No palácio, como escravo, tudo que José fazia dava certo, porque Deus era com ele. A esposa de Potifar, mesmo sendo casada, começou a se interessar por ele, mas José não quis nada com ela, porque obedecia a Deus e respeitava seu marido. No entanto, ela ficou com raiva dele e contou mentiras sobre ele. Com isso, José foi preso injustamente no palácio.

Na cadeia, José também se destacava no que fazia. Mesmo sendo tão difícil o que ele passava, Deus estava com ele em todas as situações.

Um dia, o padeiro e o copeiro do Faraó foram presos junto com ele, e José os ajudou interpretando os sonhos que tiveram. Lembra que José tinha o dom de sonhar e também de entender os sonhos? Pois é. José fez isso, e todos ficaram impressionados com ele!

Quando o copeiro foi solto, porém, se esqueceu de falar bem de José para o Faraó, e ele continuou na cadeia. Já tinham dois anos que José estava preso!

Mas a vida de José estava prestes a mudar…

Em determinado momento, o próprio Faraó começou a ter uns sonhos muito esquisitos, e ele não conseguia entender nada. Ele chamou várias pessoas para interpretá-los, mas ninguém conseguia. Foi aí que o copeiro se lembrou de José e Faraó mandou chamá-lo.

José saiu da prisão, se arrumou e foi encontrar com o Faraó. Quando ouviu os sonhos, entendeu na mesma hora que o Egito passaria por sete anos de fartura e, depois, viriam sete anos de seca. Todos morreriam de fome se alguém não guardasse alimento.

Nessa hora, Faraó confiou muito em José e mandou soltá-lo de vez. José já tinha 30 anos. Agora, ele seria o homem mais importante do Egito abaixo dele, tipo um vice-presidente, e o próprio José organizaria tudo para que o Egito tivesse mantimentos no período de seca.

José logo começou a trabalhar neste cargo de confiança. Passados os sete anos de fartura, chegaram os tempos de seca. Não existia mais animais vivos, nem água e nem alimentos na terra, mas José tinha agido conforme a sabedoria de Deus.

A seca tinha sido tão forte que as pessoas das cidades próximas vinham pegar alimento no Egito. E aí, em um determinado dia, com quem ele encontrou? Com seus irmãos! Isso mesmo, aqueles que o tinham vendido com escravo!

José estava tão diferente que os irmãos nem o reconheceram! Então, dez dos irmãos se prostraram com o rosto em terra para pedir alimento. Eles nunca iam imaginar que José tinha virado o governador do Egito.

Nessa hora, José se lembrou do sonho que tinha tido aos 17 anos, quando ele via os irmãos se curvando para ele. Deus estava cumprindo a sua promessa vários anos depois.

José conversou com seus irmãos, perguntou sobre a família deles, e os testou para saber se tinham mudado e se falavam a verdade. Prendeu um deles no Egito e mandou que os outros voltassem a Canaã com alimento e trouxessem o irmão mais novo, Benjamim. Só depois, soltaria o irmão preso. O pai de Benjamim, no entanto, não concordou por ter medo que algo acontecesse ao seu caçula.

Quando o alimento deles acabou, precisaram voltar ao Egito. Jacó decidiu mandar presentes a José, além de dinheiro, para ver se ele soltava o filho dele preso e não exigia que Benjamim ficasse preso lá também.

José recebeu todos os irmãos e os hospedou em sua casa. Serviu boa comida, água, lavaram seus pés e deram ração para os seus jumentos. Quando José viu Benjamim, seu irmão mais novo, se emocionou e deu a ele de comer mais do que aos outros irmãos.

José dispensou os irmãos para voltarem com mantimentos para casa, mas enviou dentro do saco de Benjamim um copo de prata e um pouco de dinheiro de propósito.

No caminho, um dos empregados de José os alcançou e os acusou de roubo. Tudo isso era um plano para que eles voltassem ao palácio. Quando eles voltaram, José começou a chorar e confessou que era o irmão deles. Foi difícil deles acreditarem que José ainda estava vivo e, ainda por cima, na posição de governador do Egito.

José perdoou os seus irmãos, mesmo ele tendo planejado a sua morte, e os abraçou. Mandou, então, que buscassem toda a sua família, principalmente, o seu pai, de quem tinha tanta saudade.

O encontro deles foi emocionante, e José ofereceu à toda sua família uma vida confortável naquele país. O perdão dele restaurou toda a sua casa. Deus é maravilhoso!

O que você aprendeu com a história de José?

As pessoas erram e nós também, afinal, todos nós somos imperfeitos.

Mas Deus, que é perfeito, manda que a gente perdoe as pessoas, porque ele já nos perdoou um dia e continua nos perdoando. Se ele é perfeito e nos perdoa, por que nós achamos que podemos não perdoar quem nos deixou triste?

O perdão é uma decisão que tomamos em obediência a Deus. E ele sabe o que faz! Uma pessoa triste e magoada com alguém pode até ficar doente sabia? A falta de perdão apenas destrói!

Hoje, Deus convida você a perdoar as pessoas e também a pedir perdão. Esta é uma atitude de amor!

Vamos orar?

Jesus, obrigado porque você perdoa todos os meus erros. Quando alguém errar comigo, eu também quero perdoar essa pessoa. E, quando eu errar com alguém, quero ser corajoso e humilde para pedir perdão. Eu quero aprender a amar os outros como você me ama. Amém.


Este devocional é uma das ações do ministério infantil da Academia da Fé

Texto: Marisa Victoria @marisavictoria.10 – Ilustrações: Jociane Cavalli @jocianecavalli.art

Deixe um comentário